Pular para o conteúdo
Voltar

Creas e Cras atenderam quase 2 mil crianças e adolescentes vítimas de agressões

O dia 04 de junho marcou o Dia Internacional das Crianças Vítimas de Agressão
Vívian Lessa/Setasc-MT | Cuiabá/MT

Agressão Infantil - Foto por: Jana Pessôa/Setasc-MT
Agressão Infantil
A | A

Os Centros de Referência Especializados em Assistência Social (Creas) de Mato Grosso atenderam 1.043 casos de crianças e adolescentes que sofreram algum tipo de agressão (física, psicológica, sexual ou de abandono) neste ano. O Registro Mensal de Atendimento (RMA) mostra ainda que foram realizados 384 atendimentos a vítimas de violência intrafamiliar (física e psicológica), 372 por abuso sexual, 246 por negligência ou abandono, 22 casos de exploração sexual e 19 denuncias de trabalho infantil. Os números foram divulgados pela Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc) nesta terça-feira, 04 de junho, data que marca o Dia Internacional das Crianças Vítimas de Agressão.

A superintendente de Serviços Socioassistenciais da Setasc-MT, Cristina Saito, ressalta que a Secretaria tem trabalhado arduamente oferecendo apoio técnico e financeiro para as unidades dos Creas e Centro de Referência de Assistência Social (Cras).  “Importante pontuar que, em Mato Grosso, não são todos os municípios que possuem os Creas. Em muitas cidades há somente o Cras como a única unidade da assistência social para o acompanhamento das famílias com crianças e adolescentes que sofreram algum tipo de violação de direitos”, explica.

As unidades do Cras atenderam 800 crianças e adolescentes, sendo 555 por casos de abuso sexual, 135 de trabalho infantil e 122 por sofrerem exploração sexual. Ela ressalta que o Disque 100 é um serviço indicado para denunciar casos de violações aos direitos humanos. A denúncia é feita de modo anônimo e gratuito e o sistema funciona 24 horas todos os dias. Outra maneira de denunciar uma agressão contra criança ou adolescente, é procurando o Conselho Tutelar da sua cidade.

Segurança 

Em Mato Grosso, no período de janeiro a maio de 2019, mais de mil crianças e adolescentes foram vítimas de lesão corporal. Os dados, da Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (Ceac), da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), compreendem o público de meninos e meninas de zero a 18 anos. Também no período, foram registrados 205 casos de maus tratos. Ainda nos cinco meses de 2019, houve registro de nove crianças que sofreram maus tratos com lesão corporal grave.  O crime de lesão corporal é o que lidera o topo de ocorrências contra menores seguido de ameaça (983), estupro de vulnerável (544), abandono de incapaz (230), maus tratos (205), dentre outros.

No âmbito da segurança pública, várias atividades de esporte e lazer são desenvolvidas com crianças e adolescentes, em horário de contraturno às aulas. Dentre os projetos estão o Bombeiros do Futuro, Judô Bope, Jiu-Jitsu Rotam, De Cara Limpa Contra as Drogas e o Rede Cidadã.

A coordenadora do Rede Cidadã, coronel PM Zózima Dias dos Santos, disse que as atividades de entretenimento e esporte reforçam a política de segurança pública no intuito de promover ações preventivas. Segundo a coronel, os projetos sociais buscam a interação entre pais e filhos.

“Nosso trabalho está voltado para a interação entre pais e filhos. Temos uma equipe multidisciplinar de assistente social e psicólogos que fazem visitas aos pais e uma das atividades é incentivar o acolhimento da família, com demonstração de carinho. Em cada encontro, buscamos reforçar este elo entre pais e filhos. Com isso, cria-se um ambiente favorável para a harmonia no lar”, destaca a coordenadora do Rede Cidadã.