Pular para o conteúdo
Voltar

Telessaúde realizou 600 mil serviços e gerou economia de mais de R$ 1 milhão

Atendimentos esclareceram dúvidas dos profissionais da saúde de todo o Estado, apresentando uma efetividade acima de 90% em praticamente todos os meses no ano
Rose Velasco e Ana Lazarini | SES-MT

$imgCred
A | A

Apoiado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), o programa Telessaúde conquistou dois prêmios em 2019: o WSIS Prizes, ofericido na Suíça, e o Prêmio Excelência em Competitividade, que ocorreu em São Paulo. As premiações foram recebidas como uma forma de reconhecimento ao trabalho, que gera uma série de benefícios para a Rede Pública de Saúde.

“O Telessaúde de Mato Grosso é um excepcional exemplo de ação bem-sucedida na área da Saúde, sendo referência não apenas em nosso Estado, mas também para todo o país. O programa gera uma economia inteligente para os cofres públicos porque otimiza os atendimentos prestados à população, oferecendo mais eficácia aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS)”, avaliou o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo.

A evolução da eficiência dos atendimentos é registrada a cada ano. Em 2019, foram 675.506 serviços realizados nas áreas de teleconsultoria, qualificação da regulação, telediagnóstico, teledermatologia, tele eletrocardiograma, tele estomatologia, tele-educação, participações ao vivo e atividades educacionais por meio de web aulas; as ações são voltadas para médicos e enfermeiros que trabalham na Rede Municipal de Saúde em todo o Estado.

No ano de 2019, 62% das teleconsultorias discutiram o caso clínico de pacientes, isso reforça a importância para o processo regulatório e o reconhecimento do serviço por parte dos profissionais. A situação é ainda reforçada pelo índice de que 55% das respostas resultaram no não encaminhamento do paciente para outros municípios – número que aponta para a considerável resolutividade do programa.

Ainda é importante ressaltar a economia de mais de R$ 1 milhão, em 2019, produzida pelo Telessaúde por meio do serviço virtual de eletrocardiograma.

“O Telessaúde é uma estratégia de incorporação de tecnologia que logrou êxito. Temos resultados comprovados que indicam que investir em tecnologia é uma boa alternativa, entretanto, requer tempo para reverter em resultados. É um investimento de longo prazo”, pontuou o coordenador do Núcleo Técnico Científico do Telessaúde em Mato Grosso, Fábio José da Silva.

O Programa

O Telessaúde, que conta com a parceria do Hospital Universitário Júlio Müller (HUJM) – por meio da Fundação Uniselva –, funciona há seis anos nas estruturas da unidade hospitalar e inicialmente realizava tele consultorias, tele eletrocardiograma e web aulas. Com a evolução do programa, o Núcleo de Telessaúde passou a integrar o Complexo Regulador do Estado e atuar como um qualificador da demanda de consultas especializadas.

Desde o início de suas atividades, o núcleo ampliou significativamente o número de solicitações de teleconsultorias, implantou o telediagnóstico em eletrocardiograma, dermatologia e estomatologia, expandiu o número de municípios com adesão ao telediagnóstico, ampliou a equipe de teleconsultores, as atividades de tele-educação e manteve a parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) por meio do Projeto de Extensão.

A equipe é composta por 58 profissionais entre médico, enfermeiro, cirurgião-dentista, farmacêutico, nutricionista, técnico em tecnologia da informação, biólogo, psicólogo, fisioterapeuta e fonoaudiólogo – sendo todos profissionais da SES, da UFMT ou voluntários que se dispõem a contribuir com o trabalho.

Premiações

O WSIS Prizes é o maior prêmio na área de Tecnologia em Informação e Comunicação concedido pela Organização das Nações Unidas (ONU). A indicação e premiação colocaram o Telessaúde de Mato Grosso no cenário internacional, com a participação permanente em discussões globais sobre o tema.

Já o Prêmio Excelência em Competitividade foi concedido pela CLP - Liderança Pública, que entendeu a Boa Prática do Telessaúde como uma experiência competitiva e reprodutível em outros estados; destacando a capacidade de utilizar parcerias como ferramentas para dinamizar a força de trabalho, economizando erário público e fazendo o conhecimento chegar às regiões mais distantes.